Freeletics o app “e-personal trainer” avança cada vez mais no Brasil.

Engenheiro perde 28 kg em 8 meses com ‘e-personal trainer’

Com a autoestima baixa, resolveu buscar na tecnologia uma forma de mudar de vida.

Para o engenheiro de software Edilson Andrade, de 40 anos, os dias cada vez mais corridos roubaram-lhe o tempo e a disposição para cuidar do corpo e da saúde. A falta de tempo para cuidar da saúde afeta a maioria das pessoas. Para Ed, o resultado foi: 100 quilos distribuídos em apenas 1,73 de altura, unidos ao sedentarismo e a obesidade mórbida, problemas de saúde causados pelo excesso de gordura no fígado e, consequentemente, falta de energia para brincar com a duas filhas pequenas, de 4 e 8 anos, que estavam crescendo cada vez mais rápido.

Em 8 meses, Edilson perdeu 28 quilos e reduziu sua gordura corporal a 14%.

Foto: Arquivo pessoal

Decidido a mudar de vida, Edilson percebeu que a saída estava no seu bolso – ou melhor, no seu smartphone. O aplicativo Freeletics, um personal trainer digital que usa a inteligência artificial para construir programas de exercícios e dietas personalizadas para cada estilo de rotina e objetivos para mais de dois milhões de usuários no Brasil – e 22 milhões em todo o mundo – foi a ferramenta de transformação para ele: em 8 meses, perdeu 28 quilos, reduziu sua gordura corporal a 14% e hoje tem mais energia para poder curtir a família.

“Eu queria ter mais pique e disposição pra fazer coisas simples, como andar num parque com as minhas meninas. Fui numa academia, mas não me senti à vontade. Então procurei outras alternativas e, apesar de não acreditar muito nessa coisa de aplicativo, resolvi dar uma chance. Entrei nos grupos do Freeletics nas redes sociais e vi histórias de pessoas iguais a mim que mudaram de vida. A transformação do Oswaldo foi a que mais me motivou. Eu estava maior que ele e pensei: se ele conseguiu, eu também consigo”, conta Edilson.

O aplicativo pode ser usado em três modalidades: o Bodyweight, para treinos funcionais de alta intensidade usando apenas o peso do próprio corpo; O Running, para treinos com corridas intervaladas; E o Gym, que eleva a experiência do treino em academias; Além da novidade do Nutrition, que é um nutricionista digital integrado com as plataformas de treino, que constrói toda a rotina de alimentação saudável dos atletas. Todos os apps contam com o “Coach” (o Treinador), a persona da inteligência artificial que acompanha os usuários durante o processo de transformação. “Ele vai sentindo sua resistência e se adequando ao seu perfil de acordo com seus feedbacks ao final de cada treino, como se você estivesse acompanhado de um personal. Ou seja, cada vez que você treina e se alimenta o programa conhece melhor o seu corpo”, explica Edilson.

Edilson faz parte da nova campanha mundial do Freeletics para 2018, que propõe o conceito de “More Life” (Mais Vida), incentivando as pessoas a cuidar da saúde de forma inteligente e eficiente, tendo assim mais tempo, energia e disposição para aproveitar a vida. A ideia é trazer a prática de uma vida mais saudável para qualquer pessoa, mostrando casos reais de superação. “Queremos incentivar todas as pessoas a terem mais qualidade de vida, mais tempo pra se cuidar e curtir suas famílias e amigos. A proposta de todos os produtos Freeletics é justamente ter todos esses benefícios aplicando pouco tempo e tendo a flexibilidade de fazer em qualquer lugar e à qualquer hora. Quando mostramos gente que nem a gente dando a volta por cima, superando até mesmo doenças causadas pelo sedentarismo, damos perspectiva a quem está precisando de incentivo”, esclarece Gabriel Teodoro de Oliveira, responsável pela operação do Freeletics no Brasil.

Créditos: Portal Terra
25 JAN 2018 18h39

Ponto de Vista:

A reportagem acima mostra uma tendência que acreditamos irreversível para a sociedade como um todo, os aplicativos ganham cada vez mais espaço no cotidiano dos seus usuários.

As discussões crescem se um aplicativo pode ou não pode prescrever exercícios físicos, se tal prática não poderia ser enquadrado no “exercício ilegal da profissão” e  com as disputas judiciais começam a ganha os nossos tribunais com o questionamento sobre vários aplicativos em uso, com o CREF  ajuizados ações questionado a legalidade da comercialização destes programas no mercado brasileiro.

Agora cada vez mais a tecnologia cresce em uso, e mais as próximas ameaças aos profissionais da Educação Física são a internet das coisas e a realidade aumentada, somado a essa cultura crescente do uso individual dos aplicativos, demostra que estamos em um fase de transformação na sociedade e em nossas relações de consumo, estamos caminhando para um mundo novo e a passos lagos.

Acreditamos que a melhor solução para os Personais Trainers fazerem frente a essas ameças digitais em sua atuação também é o desenvolvimento de uma nova abordagem no seu exercício profissional, caminhamos para a necessidade da prestação de um atendimento cada vez mais humanizado, em uma proposta menos tecnicista e cada vez mais interpessoal com o Personal assumindo o papel de um lider, de um consultor, de um coach, em uma abordagem pessoal que mais que a prescrição de exercícios esse Personal 4.0, deva entregar novas experiências e compartilhar metas e resultados com seus clientes.

Fica aqui o alerta aos profissionais a se prepararem para enfrentarem os novos tempos e recursos digitais que estão vindo, não estamos em um mundo pior ou melhor, mais sim diferente e cada vez mais tecnológico.

Equipe Trainer Brasil.

Observação: Você já pensou em fazer um curso de COACH? Talvez já seja a hora!

We will be happy to hear your thoughts

Leave a reply

Compare items
  • Total (0)
Compare
0